sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Insignificância


Hoje parei para pensar como somos insignificantes, vivemos, crescemos e morremos. O que podemos levar dessa vida? Concerteza não seriam bens materiais. Mas você já parou para pensar o que levar dessa vida quando partirmos para outra? Será que existe outra vida, além dessa que vivemos? E se existir? Muitas pessoas desejariam levar coisas boas, bem como sentimentos de amor, felicidade, carinho, força de vontade, superação diante de algum problema ou mais. Eu desejaria apenas levar tudo de bom que eu conquistei em minha humilde vida: alguns poucos amigos que me fizeram ver a vida de uma maneira mais alegre, as minhas felicidades instantâneas que eu consegui em alguns momentos, o amor que eu conquistei das pessoas, principalmente aquelas que me conheceram a fundo, de uma maneira tão especial que nem eu mesmo consegui me conhecer, porque amor é a base de tudo, levaria também a minha família porque sem ela eu não conseguiria estudar, me divertir, e nem ser o que eu sou hoje. No meu ver as pessoas se preocupam muito com aparência e com bens materiais, mas de que adianta toda a beleza se daqui alguns dias ela vai acabar? E de que adianta tanto dinheiro para comprar carros luxuosos, casas milionárias, ser dono de uma poupança invejável, se não temos paz interior, senão estamos bem com nós mesmos, senão temos um verdadeiro motivo para viver, se não temos um amor para apreciar toda a beleza da vida? Invejo aqueles casais feios aparentemente, mas perfeitos na alma e no amor, pessoas verdadeiramente puras. Pessoas que sabem o significado da palavra amor. Parece que essas pessoas estão cada vez mais ausentes em nossas vidas, ‘gostaria de saber onde está o amor verdadeiro, aquele que não se compra com o dinheiro’.

Samuel S.

2 comentários:

  1. De forma sincera e verdadeiramente imprecionante de forma filosofica abrangente a todo tipod e ser q respira e com certeza tocante!Legal!

    ResponderExcluir