sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Vírgula





As incertezas me incomodam profundamente. Eu sei, não é sua culpa. Existem valores que nos são implantados desde o nosso primeiro segundo na Terra. Eu sou vítima deles também. Os humanos não sabem bem o que significa, quer dizer, acredito que eles saibam, mas precisam alimentar a hipocrisia interna. E isso é muito humano, acredito. Eu não sou uma maravilha, eu sei... mas é que esperam que eu seja, e talvez seja isso que me incomoda. Porque o vazio é muito pior, quando ele está em você. Não, não é isso, eu tenho muito a dizer, mais o léxico me falta e não parece gostar de mim, então os humanos me ignoram. Eu sei que eu também sou uma, mais isso tem relevância agora? Mais eu desconfio de um problema, o olho. Sim, o olho. Já viu? Eu me vejo dentro do seu. Será que também sou um defeito seu? Não, disso eu não sei. Não sou do tipo que recorre a facilidade, é porque ela é mais sem graça, só. Quando quis uma vírgula, você não quis, eu sei, a vida não quis. Não com aquela facilidade que dizem que o destino impõe, acredito ser mais que isso complexo, sabe. Acredito que existem saídas do curso natural, só  que a gente não sabe, mas a possibilidade existe, a gente que não sabe. Mas isso não importa agora não é? A gente não achou a saída mesmo, então não importa. Mais eu ainda sonho, então estou numa vírgula não é? Sei que estou. Sei o que sou. Livre-arbítrio. 


L.N.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Ciclos



Eu não sei o que me domina
E mesmo assim não penso em me livrar
Num fascínio de alma gêmea
Você em mim constrói o seu lugar
O amor se fez me levando além onde ninguém mais
Criou raiz, ancorou de vez, fez de mim seu cais
Lendo a rota das estrelas
Nesse abraço se fez um ciclo
Que não tem fim e é todo o meu viver
É como alcançar o infinito
Reflete em mim e volta pra você
O amor se fez me levando além onde ninguém mais
Criou raiz, ancorou de vez, fez de mim seu cais
Lendo a rota das estrelas
O amor surgiu como um em mil, por você eu vim
E assim será a me conduzir, sem mandar em mim
Como o vento e o barco a vela, que nos leva sem fim.
Composição: Jorge Vercilo/Dudu Falcão

aim música linda..*-*

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Cansei, vamos falar sério.


Em pleno século XXI, onde as tecnologias comandam o mundo, quando somos todos interligados através de um clique, as pessoas teimam em se preocupar com a vida dos outros. Fico com muita raiva. Queridas pessoas falsas que não tem o que fazer...
Saibam:
"O homem não nasceu para amar a mulher.
A mulher não nasceu para amar o homem.
O ser humano nasceu para amar o ser humano."
Christian Chávez.
CHEGA    DE    PRECONCEITO!!!
CHEGA   DE     HIPOCRISIA!!!

Cansei, paciência tem limite.
Sou a favor do amor, independente da religião, etnia e do sexo.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011



Hoje vasculhei meu passado. Encontrei vários livros, alguns elogios, desejos de Valentine's Day, cartões de aniversário, promessas de fim de ano.. que nunca cumpri, fotos de quando... ainda não gostava de mim mesma, também achei várias provas de vestibular, e aproveitei pra jogá-las fora também! Achei bonecas, e lembranças de uma infância meio solitária. Achei textos da faculdade que eu deveria ter lido e não li. Achei  revistas teens, meu Deus!! Por que eu gostava de ler aquelas coisas? Achei minha agenda do ano de 2005, eu não tinha muitos compromissos naquela época... então ela é toda recheada de músicas, músicas hoje que eu não gosto, tenho que admitir, e a capa é da Branca de Neve?! É, fazer o quê!! Achei uma gargantilha que minha vó me deu, é a única coisa dela que guardo comigo, impressionante como ela ainda faz parte de mim. Encontrei com todos que passaram por mim e também com uma parte de mim que, já não me lembrava mais que existiu... Aquela menina que chorava ao ler contos de fada, aquela menina que achava que podia conquistar o mundo, que tinha medo de tudo.. até da própria sombra, mas não tinha medo do futuro, esse futuro que agora sou eu. Foi arrumando meu quarto, que limpei minha alma... que me sinto leve, pra poder recomeçar. Acho que agora entendo, o que me disseram: 
" Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".


L.N.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Sem Jeito


Te amo desse jeito
Meio sem jeito
Saudade aperta o peito
Mesmo ao teu lado
Não vê que eu sou assim
Perdida de amor
Começo pelo fim
Te amo desse jeito
Meio do avesso

Música: Sem Jeito /Sandy Leah / Manuscrito

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Infinito Particular



Eis o melhor e o pior de mim

O meu termômetro, o meu quilate

Vem, cara, me retrate

Não é impossível

Eu não sou difícil de ler

Faça sua parte

Eu sou daqui, eu não sou de Marte

Vem, cara, me repara

Não vê, tá na cara, sou porta bandeira de mim

Só não se perca ao entrar

No meu infinito particular

Em alguns instantes

Sou pequenina e também gigante

Vem, cara, se declara

O mundo é portátil

Pra quem não tem nada a esconder

Olha minha cara

É só mistério, não tem segredo

Vem cá, não tenha medo

A água é potável

Daqui você pode beber

Só não se perca ao entrar

No meu infinito particular.

Composição: Arnaldo Antunes, Marisa Monte, Carlinhos Brown

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

mas é tão simples...




Quero coisa simples. Tarde de chuva com filmes, e alguém que saiba conversar. Noite de sábado alegre e ver a lua. Gostinho de chiclete de menta. Tomar chá e dar risada. Pegar uma flor e ver que não estou sozinha. 
Olhar pra tráz e gostar do que vê. Aprender com uma criança. Ver a razão em um sorriso. Querer nadar na cor dos olhos de alguém. Abraçá-lo como se fosse o mundo inteiro. Acho tudo isso completamente possível.
Viver, intensamente simples.


sábado, 8 de janeiro de 2011

Deficiências



Deficiências - Mario Quintana (escritor gaúcho 30/07/1906 - 05/05/1994)

"DEFICIENTE" - é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

"LOUCO" - é quem nãoa procura ser feliz com o que possui.

"CEGO" - é aquele que ñao vê seu próximo morrer de frio, de fome, de miséria, e só tem olhos para os seus míseros problemas e pequenas dores.

"SURDO" - é aquele que não tem tempo de ouvir um desabafo de um amigo, ou o apelo de um irmão. Pois está sempre apressado para o trabalho e quer garantir seus tostões no fim do mês.

"MUDO" - é aquele que não conesgue falar o que sente e se esconde por trás da máscara da hipocrisia.

"PARALÍTICO" - é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda.

"DIABÉTICO" - é quem não consegue ser doce.

"ANÃO" - é quem não sabe deixar o amor crescer. E finalmente a pior das deficiências é ser miserável, pois:

"MISERÁVEIS" - são todos que não conseguem falar com DEUS.

"A amizade é um amor que nunca morre"

MARIO QUINTANA

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Pé direito


Pensei em tantas formas de começar o ano... e dizer que tudo vai ser novo....
Mas não posso, começo mais esse ciclo com meus gostos antigos, minha personalidade complicada e minha esperança de um ano esplêndido.
A seguir meu poema favorito, que eu espero ainda endereçá-lo a alguém,
mas isso é uma outra história que renderá muitos posts para o ano inteiro.


Com vocês... Mestre Vinicius...

Soneto do amor total

Amo-te tanto meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.

Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes.


L.N.